Ensinar Português para Estrangeiros

Falar português, assim como qualquer outro idioma, é ter a possibilidade de me comunicar e de expressar meus próprios pensamentos e opiniões no código de uma determinada cultura. Como moro no Brasil, falar português é essencial para que eu possa me inserir na comunidade local e ter um papel ativo nela. Aprendi a língua aos nove anos, ao chegar no Brasil. Como ingressei numa escola americana, meu contato com o português se limitava ao dia-a-dia fora da escola. Consegui aprender em dois meses através de revistas em quadrinhos e programas de televisão. No ano seguinte, passei a estudar em um colégio brasileiro sem maiores dificuldades.

Imagino o desafio que o desconhecimento da língua seja para alunos estrangeiros que chegam à Unicamp. Com certeza encontram dificuldades iniciais, uma vez que não só não falam a língua local, como também desconhecem a cultura e hábitos da nova comunidade da qual farão parte durante seus estudos. Falar o português é essencial, não só para se inserirem no meio acadêmico, mas também para comunicarem as suas necessidades mais básicas.

Antes de abordar a metodologia que eu usaria para ensinar português a estes estrangeiros, gostaria de ressaltar que muito além de lhes ensinar a língua, eu os aconselharia a se integrarem à comunidade local procurando interagir com os brasileiros da forma mais intensiva possível.

Eu sugeriria inicialmente que estes estrangeiros evitem conviver extensivamente com falantes de sua língua nativa – uma zona de conforto onde podem se expressar – e partam em busca de situações e ambientes onde terão que, necessariamente, falar com brasileiros. Isso os ajudará a aplicar o que aprenderam em sala de aula e a desenvolver uma compreensão do comportamento social e linguístico desta nova sociedade mais rapidamente.

No quesito de desenvolvimento de competências comunicativas no português brasileiro, eu usaria a abordagem comunicativa como um enquadre geral e, dentro desta, varias técnicas de diferentes metodologias que se mostram bastante eficazes.

Usando materiais didáticos encontrados no mercado, eu conduziria as aulas interagindo oralmente com os alunos na língua alvo sem traduções, e faria grande uso de materiais de áudio situacionais e exercícios escritos para sistematizar os conhecimentos explorados.

Um trabalho focado na aquisição de estruturas sintáticas elementares e também do léxico é um modo seguro de conseguir resultados rápidos e consistentes. A familiarização com a fonologia do português brasileiro também é parte essencial desta primeira etapa, uma vez que a familiarização com os sons da língua e a identificação correta da pronúncia de palavras é crucial para uma aprendizagem precisa e integral.

Ursula Chirinian